Slime: cuidados, fatos e fakes

O slime é uma febre entre crianças de todas as idades e já faz algum tempo que pais e mães descobriram que o brinquedo pode ser feito em casa, utilizando uma combinação de materiais caseiros facilmente encontrados em supermercados.

No entanto, algumas situações expostas na mídia — como crianças que foram parar na UTI por conta do contato com o material — acendeu um alerta para as famílias: quais os riscos de comprar ou produzir a famosa geleca em casa? Descubra agora os mitos e verdades!

O slime caseiro é mais seguro do que comprar a geleca pronta?

Essa informação é um dos fakes em relação ao slime que traz grande preocupação aos profissionais da saúde, pois fazer a geleca em casa pode ser ainda mais perigoso que comprar o material pronto.

Os componentes como bórax e água boricada, quando absorvidos pelo organismo por via oral, respiratória ou em contato com a pele, podem ser nocivos a ponto de causar insuficiência renal a uma criança.

Se não usar bórax e água boricada, o slime passa a ser seguro?

Mais um fake. A má notícia para as crianças é que não há como garantir a segurança da brincadeira. Isso porque além dos problemas trazidos por esses componentes, o material pode causar outras enfermidades como dermatites e potencializar crises de asma.

Embora esses sintomas variem de criança para criança, não há como garantir que o seu filho não vá sofrer nenhuma consequência da rápida evaporação de algum componente ou uma eventual alergia. Por isso a recomendação é que, juntos, pais e filhos procurem outra atividade.

É verdade que uma criança pode vir a óbito por causa do slime?

Infelizmente, sim. No geral, o slime deveria ser fabricado com cola, bicarbonato de sódio, espuma de barbear, sabão em pó líquido e corantes. Esses ingredientes, por si só, não causariam risco à vida.

Anteriormente, mencionamos que não é possível garantir que seu filho não vá ter nenhum sintoma ao brincar com o slime. No entanto, esses ingredientes inofensivos, quando utilizados em quantidade inadequada, somados à demora na procura de uma assistência médica, podem fazer com que aconteça o pior com uma criança.

Se o meu filho eventualmente brincar com o slime, significa que devo levá-lo a emergência imediatamente?

Embora o slime não seja considerado seguro, esse é um mito. No geral, os problemas relacionados ao manuseio da geleca estão são decorrentes do tempo prolongado de exposição aos ingredientes e às medidas utilizadas.

Como nem todas as crianças apresentam sequer uma alergia, a melhor maneira de lidar com os possíveis problemas relacionados ao material é a observação.

Se o seu filho está desejando o brinquedo, negocie com ele outras formas e outros objetos para brincar. No entanto, se eventualmente tiver acesso ao material, observe o seu comportamento e em qualquer sinal de reação alérgica, problema respiratório ou mudança no xixi, procure assistência logo que possível.

Este artigo foi útil para você? Curta nossa página no Facebook e fique de olho nas próximas atualizações. Até breve!

Compartilhar
0

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *