ALFABETIZAÇÃO É O BÊ-A-BÁ DA CIDADANIA

Não fosse por ela, seria impossível você estar lendo este post agora. Estamos falando da alfabetização, cujo dia mundial se comemorou dia 8 de setembro.

Para muitos, ser alfabetizado é um direito básico para que a pessoa desenvolva a habilidade de ler e escrever. Mas os ganhos dela derivados vão muito além disso – influenciando positivamente no pleno exercício da cidadania, na conscientização e na evolução econômica, social e cultural.

O impacto socioeconômico da alfabetização

Há uma estreita relação, segundo muitos analistas políticos, entre taxa de alfabetização e valor do capital humano de uma determinada região. É certo, por exemplo, que pessoas alfabetizadas são treinadas com mais facilidade que as analfabetas – chegando, consequentemente, a um patamar socioeconômico mais alto. A alfabetização, neste caso, atua como uma facilitadora e uma alavancagem do desenvolvimento, o que se traduz em melhores condições de saúde, maiores perspectivas de emprego, capacitação econômica e consciência a respeito da questão da sustentabilidade ambiental.

Melhores condições de saúde 

Mais alfabetização reflete, consequentemente, em maior assimilação das práticas modernas de nutrição e higiene. Isso potencialmente evita inúmeros problemas de saúde, inclusive a mortalidade infantil.  

Reflexos positivos na economia 

Além de aumentar as possibilidades de emprego, pela qualificação progressivamente maior conforme o tempo de estudo, uma pessoa alfabetizada possui, obviamente, mais facilidade de acesso ao ensino superior. Resultado: ganhos para o indivíduo, para a empresa em que trabalha e para o país como um todo. 

O maior de todos os benefícios: o engrandecimento por meio da leitura!

Segundo pesquisadores, existe uma progressão, através de vários estágios, no aprimoramento das habilidades de leitura. Maryanne Wolf, professora da Universidade da Califórnia, publicou um livro em que divide em cinco estes estágios de desenvolvimento, de acordo com estudos realizados junto a crianças norte-americanas.

Pré-leitor emergente – dos seis meses aos seis anos de idade

. Normalmente, as crianças falam as primeiras palavras antes do primeiro aniversário

. Educadores e pais colaboram para desenvolver suas habilidades de escuta, fala, leitura e escrita

. Ler para as crianças ajuda a aprimorar o vocabulário, o gosto pela leitura e a consciência fonêmica

Leitor iniciante – seis a sete anos

. Percebe que as letras se conectam aos sons da língua

. Memoriza os padrões de letras mais comuns e algumas palavras de alta frequência

. Detém uma compreensão maior do vocabulário e da linguagem oral

Leitor de decodificação – 7 a 9 anos

. O pequeno leitor está mais confiante, associando pelo menos 3.000 palavras ao que pode decodificar

. A pronúncia das palavras torna-se mais fácil

Leitor fluente e compreensivo – 9 a 15 anos

. O leitor vai além da “superfície” do texto, identificando aspectos mais profundos

. Construção do conhecimento ortográfico

. Desenvolvimento da linguagem figurativa e da ironia, habilitando a descobrir novos significados nos textos

Leitor especialista – 16 anos ou mais

. Neste estágio, leva-se apenas meio segundo para ler qualquer palavra

. Os patamares de desenvolvimento do leitor especialista evoluem ao longo da vida, a depender do que e do quanto leem

Como você pode ver, estar alfabetizado é muito mais que absorver uma habilidade funcional. Podemos afirmar que um mundo melhor passa necessariamente por ela!

Fique à vontade pra compartilhar este post com seus amigos, e não deixe de se cadastrar pra receber notícias nossas.

Fonte para elaboração do conteúdo: Wikipedia

Compartilhar
1

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.