O que fazer se seu filho pratica bullying?

Nenhum pai ou mãe quer receber uma ligação do diretor da escola sobre bullying, certo? Ainda mais se o aviso for sobre seu filho como o autor desse tipo de assédio. Por mais que seja difícil admitir que ele talvez seja um “bully”, é preciso entender que esse é um problema que nunca deve ser ignorado ou subestimado.

Normalmente, a prática de tal ato pode ser nociva a quem a executa e, claro, a quem sofre com os ataques. Problemas como depressão, ansiedade, baixa autoestima, entre outros, podem ser identificados em ambas as partes. Por isso, é importante ficar de olho! 

Você acha que seu filho está praticando bullying? Então, respire fundo e se comprometa a descobrir o que está acontecendo para tomar as medidas necessárias em relação ao comportamento dele. Logo abaixo, colocamos 4 atitudes que podem ajudar neste processo. Para saber quais são elas, continue a leitura!

1. Ouça o que a escola tem a dizer

O primeiro passo é ouvir o que os outros têm a dizer sobre o comportamento do seu filho, principalmente a escola. Escute a versão da instituição e deixe claro que você quer trabalhar em conjunto para resolver o problema. Procure não ficar na defensiva e considere tudo o que for dito.

Não tenha vergonha também de pedir orientações e conselhos para conseguir fazer com que seu filho pare de praticar o bullying. Veja se a escola tem recursos, oficinas ou outras atividades que podem auxiliar nesse momento. 

2. Não amenize nem tolere as atitudes do seu filho

Nunca subestime as situações ocorridas! Ajude seu filho a entender que ele é responsável pelas próprias ações para evitar problemas mais graves no futuro. Dependendo das circunstâncias, é interessante discutir quais seriam as melhores formas de resolver essa situação.

Se preciso, aplique punições dentro de casa, como proibir o uso do celular, reduzir o tempo da TV, impedir que ele compareça a um evento social etc. É importante mostrar que para cada atitude existe uma consequência. Além disso, deixe claro que os “castigos” são aplicados de acordo com o bullying e outros maus comportamentos, de forma a não haver falha na comunicação.

3. Reveja a dinâmica familiar

Se seu filho realmente for o “valentão” da escola, você tem que examinar o que está acontecendo em sua própria casa. Isso porque, grande parte do comportamento dele pode vir dos pais. Então, seja honesto consigo e reflita: quais comportamentos você e o restante de sua família têm que podem influenciar no fato do seu filho ser um bully?

Vocês costumam brigar com outras pessoas, espalhar fofocas e rumores, ou repreender o próximo de forma exagerada? Se qualquer comportamento for identificado como gatilho para o seu filho praticar o bullying, chegou a hora de mudá-lo. Afinal, crianças são mais observadoras do que parece.

4. Identifique a raiz do problema

Para desenvolver um bom plano de correção disciplinar para o seu filho, é preciso descobrir por que ele escolheu intimidar outras pessoas. Para isso, existem boas opções, como procurar ajuda profissional de um psicoterapeuta ou por lugares que ofereçam auxílio para esse tipo de situação.

Além disso, tenha um acompanhamento contínuo e uma conversa sincera com seu filho. Deixe claro que ele está em um lugar seguro e, principalmente, que você está aberta ao diálogo. Nunca permita que ele tenha medo de você, do contrário, todo esse esforço pode ir por “água abaixo”.

Por fim, não se desespere com a informação de que seu filho pratica bullying. Lembre-se de manter e cabeça fria e tomar as melhores atitudes para o desenvolvimento dele, mesmo que elas precisem ser um pouco mais radicais. Além disso, seja tolerante, esteja aberto a críticas e conselhos, e nunca ignore o problema!

Se você ainda tem dúvidas sobre esse assunto ou deseja receber ajuda para lidar com a situação, entre em contato com a nossa escola e saiba quais são as melhores alternativas para o seu caso.

Compartilhar
0

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.