O princípio de Arquimedes todo mundo conhece. Mas e o fim, sabe como foi?

1
Dicas  |  Next 2 You

Matemático, físico, engenheiro, inventor e astrônomo grego, Arquimedes é mais conhecido pela Lei do Empuxo, ou o chamado Princípio de Arquimedes, que tem o seguinte enunciado: “um corpo completa ou parcialmente imerso num fluido fica sujeito a uma força para cima, a impulsão, de intensidade igual à do peso do fluido que ele deslocou”. 

Arquimedes de Siracusa, reconhecido como um dos principais cientistas da Antiguidade Clássica, contribuiu decisivamente para o desenvolvimento da hidrostática e da estática, sendo considerado o maior matemático do seu tempo  e um dos grandes físicos da história da humanidade, influenciando Galileu e Newton. 

Arquimedes morreu por volta do ano 212 a.C., durante a Segunda Guerra Púnica, quando forças romanas comandadas pelo General Marco Cláudio Marcelo cercaram a cidade de Siracusa. 

Dentre as várias versões a respeito de sua morte temos o relato de Plutarco, segundo o qual Arquimedes contemplava um diagrama matemático quando aconteceu a tomada da cidade.

Detido por um soldado romano, este ordenou que fosse conhecer Marcelo. Arquimedes, entretanto, recusou-se a obedecer, argumentando que tinha que terminar de trabalhar no problema. Furioso, o soldado romano matou, com golpes de espada, o sábio grego. 

Uma outra versão sugere que ele foi morto ao tentar render-se a um soldado romano. Marcelo teria se enfurecido ao saber da morte, pois tinha ordenado que Arquimedes não fosse ferido, por considerá-lo uma posse científica valiosa. 

A pedido de Arquimedes, uma esfera e um cilindro de mesma altura e diâmetro foram colocados sobre seu túmulo, lembrando sua demonstração matemática preferida. Arquimedes provou que o volume e a área da superfície da esfera equivaliam a dois terços do cilindro, incluindo suas bases.

“Não perturbe meus círculos” foram as derradeiras palavras atribuídas ao matemático, referindo-se aos círculos no desenho que ele estaria estudando quando o soldado romano o deteve. Não há, entretanto, prova confiável de que Arquimedes realmente disse isso. 

Passados 137 anos de sua morte, em 75 a.C., o orador romano Cícero trabalhava na Sicília quando ouviu histórias sobre o túmulo de Arquimedes. Embora nenhum morador tenha sido capaz de lhe dar a localização exata, Cícero encontrou o jazigo, coberto de arbustos e abandonado. Após limpar o túmulo, viu a escultura da esfera e do cilindro e leu alguns dos versos adicionados como inscrição. 

Fique à vontade pra compartilhar este post com seus amigos, e não deixe de se cadastrar pra receber notícias nossas. É só clicar aqui!

Fonte para elaboração do conteúdo: Wikipedia.

Compartilhar
1

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.